Prefeito de Campos Altos e Lideranças Municipalistas participam de encontro com Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, em Brasília.

0
593
Prefeito Municipal, Paulo Almeida ao lado do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro

O Prefeito de Campos Altos, Paulo Almeida, esteve na terça-feira (05/07) no Palácio do Alvorada em Brasília, na residência oficial do Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro para o encontro de lideranças políticas, que defendem as causas municipalistas, pois são nos municípios que as coisas normalmente acontecem. O Chefe do Executivo Municipal participou de uma mobilização nacional que contou com a presença de diversos prefeitos (as). O Presidente da CNM – Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski, que lidera este importante movimento afirmou que o Presidente Bolsonaro se comprometeu a apoiar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que proíbe o Congresso Nacional de criar novas despesas as prefeituras sem indicação da fonte de receita. A PEC 122/2015 em questão já foi aprovada pelo Senado Federal e ainda falta o aval do plenário da Câmara. No total, cerca de mil municípios estiveram representados na comitiva da CNM em Brasília. “Sempre participamos destes encontros para fortalecer a causa municipalista, este é o nosso papel, fomos muito bem recebidos pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro que se comprometeu a apoiar a criação da PEC que proíbe a criação de novos despesas para o município sem indicação da fonte de receita”, disse Paulo Almeida, Prefeito Municipal.

Ao receber a comitiva, o presidente Jair Bolsonaro reconheceu os esforços dos prefeitos para atender a população na ponta. “O parlamentar que se candidatar a governador ou prefeito daqui dois anos vai sentir na pele o que vocês passam. E não é fácil enfrentar o que vocês enfrentam e o que eu enfrento aqui com teto de gastos.”

A CNM divulgou na segunda-feira, (04/07), estudo com estimativa do impacto de medidas federais nas finanças municipais. Apenas de impacto imediato já são R$ 73 bilhões. Caso também sejam aprovadas pautas que estão em tramitação ou análise nos Três Poderes, o impacto pode chegar a R$ 250,6 bilhões. Os valores são referentes à redução de receitas, aumento de despesas e liminares que impedem redistribuição de recursos. “Nosso estudo mostra um impacto de R$ 73 bilhões aos Municípios. Não é verdade isso de que está sobrando dinheiro lá na ponta. Isso não é uma realidade”, disse Ziulkoski.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.